SUPPORT US

In The Media

O dilema das prisões O sistema judiciário não precisa ser reinventado

by Robert Muggah and Ilona Szabó de Carvalho

Jornal O Globo
January 8, 2014

A maneira pela qual uma sociedade trata sua população carcerária serve como medida de seus valores e de seu grau de civilidade. Uma análise do sistema de justiça penal brasileiro revela uma cultura que beira o sadismo. O país tem a quarta maior população carcerária do mundo. Mais da metade dos presos aguarda julgamento e um em cada cinco está detido indevidamente. Extremamente violentas e superlotadas, especialistas descrevem as prisões brasileiras como hediondas.

Muitos dos mal administrados presídios brasileiros são comandados por grupos criminosos que recrutam seus membros e organizam suas atividades de dentro das prisões. As penitenciárias brasileiras estão sendo preenchidas em um ritmo mais rápido do que podem ser construídas. A superlotação e as péssimas condições dos presídios existentes foram condenadas recentemente pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos, mas, com uma média de 3 mil novos detentos todo mês, a situação se agrava a cada dia.

Além disso, nosso sistema penal é intrinsecamente elitista. À minoria dos detentos com diploma universitário ou cargo público é oferecida prisão especial, em melhores condições. Porém, mais de 80% dos prisioneiros não têm condições de contratar um advogado e em mais de 70% das comarcas não há defensores públicos. Como resultado, acusados são mais presos do que liberados. Os mortos sob custódia do Estado tendem a ser os mais pobres, conforme o Relatório Especial da ONU sobre Execuções Extrajudiciais, Sumárias ou Arbitrárias.

Apesar de o problema das prisões ser amplamente reconhecido, quase nada mudou nos últimos anos, a não ser o aumento do número de presidiários. E por que as condições deploráveis persistem? Uma razão pode ser que a sociedade brasileira tolera o status quo. Criminosos, como o argumento dominante, não são dignos de preocupação pública. Pesquisas de opinião confirmam que muitos brasileiros apoiam penas mais duras e aceitam abusos contra presidiários. E os políticos brasileiros carecem de vontade moral e política que ultrapasse interesses eleitoreiros de curto prazo para levar a cabo reformas na direção certa.

Para que o Brasil resolva de vez a questão de seu sistema penal retrógrado, será necessária uma mudança drástica nas atitudes públicas. Transformações reais dependem de liderança política. A presidente Dilma Rousseff prometeu melhorar as condições das prisões, mas infelizmente essa agenda ficou estacionada. Se reformas fossem feitas, elas deveriam focar na redução da superlotação e no aprimoramento das condições das prisões. No nível federal, mudanças mais do que necessárias na legislação e aplicação da lei de drogas poderiam reduzir drasticamente o número de encarceramento de criminosos não violentos.

Estados deveriam ser encorajados a adotar alternativas à detenção provisória e investir em sentenças que dispensem custódia e em programas de reabilitação. O sistema judiciário não precisa ser reinventado. É preciso a implementação efetiva de algumas provisões básicas da Constituição, como a salvaguarda de direitos garantidos a todos independentemente da situação em que se encontrem.

Robert Muggah é diretor de pesquisa e Ilona Szabó de Carvalho é diretora executiva do Instituto Igarapé


Be the first to comment

Please check your e-mail for a link to activate your account.
SUBSCRIBE TO OUR NEWSLETTERS
 
UPCOMING EVENTS


No events are scheduled at this time.


SEARCH
EXPERTS IN THE MEDIA

Passport? What passport?

by Martin C. Barr (feat. Andrew Griffith), Laval News, June 29, 2022

Oil production test looms for OPEC heavyweights Saudi Arabia, UAE

by Editorial Staff (feat. Ellen Wald), S&P Global, June 29, 2022

Eric Nuttall & Amrita Sen - Oil & Energy Update

by Eric Nuttall (feat. Amrita Sen), Nine Point Partners, June 29, 2022

All talk, no traction

by Maura Forest and Andy Blatchford (feat. Robert Huebert), Politico, June 29, 2022

U.S. pushes for Russian oil price ceiling. Feasible?

by Matt Levin (feat. Ellen Wald), MARKETPLACE, June 28, 2022

Russia Ukraine Update

by Susan Bonner (feat. Andrew Rasiulis), CBC Radio One, June 28, 2022

Un sommet de l’OTAN pour tenir tête à la Russie

by Marie Vastel (feat. David Perry), Le Devoir, June 26, 2022

A geopolitical alternative system of co-operation for nations

by Staff Reporter (feat. Swaran Singh), The Zimbabwe Mail, June 26, 2022

Analyst says high oil prices spurs little drilling

by Lee Harding (feat. Kevin Birn), Western Standard, June 26, 2022

It’s time for Canada to get serious about defence

by John Ibbitson (feat. James Fergusson and Rob Huebert), The Globe and Mail, June 25, 2022

Trudeau meets with Rwandan president, expands diplomatic mission in Kigali

by CBC Newsroom Staff (feat. Colin Robertson), CBC Newroom, June 24, 2022

With New Threats Looming, Canada Commits Billions to Air Defense

by News Desk (feat. Andrea Charron), New Express News, June 24, 2022

Drop in oil prices is not a quick fix for global inflation

by Editorial Staff (feat. Amrita Sen), The National, June 24, 2022

Highs and Lows of the Spring Sitting

by Peter Van Dusen (feat. Andrew Griffith), Prime Time Politics, June 24, 2022

Oil Incurs Second Weekly Loss As Analysts Differ On Inflation, Demand

by Ship and Bunker News Team (feat. Amrita Sen), Ship And Bunker, June 24, 2022


LATEST TWEETS

HEAD OFFICE
Canadian Global Affairs Institute
Suite 1800, 150–9th Avenue SW
Calgary, Alberta, Canada T2P 3H9

 

OTTAWA OFFICE
Canadian Global Affairs Institute
8 York Street, 2nd Floor
Ottawa, Ontario, Canada K1N 5S6

 

Phone: (613) 288-2529
Email: [email protected]
Web: cgai.ca

 

Making sense of our complex world.
Déchiffrer la complexité de notre monde.

 

© 2002-2022 Canadian Global Affairs Institute
Charitable Registration No. 87982 7913 RR0001

 


Sign in with Facebook | Sign in with Twitter | Sign in with Email